sexta-feira, julho 30, 2004

O MILAGRE DO CAIXA DA UNIVERSAL

E, na cor em homenagem ao Crivella, LARANJA, abaixo uma reportagem de 1999 da Revista Veja que denuncia a IURD e o Bispo Macedo, tio de Crivella.

O texto é longo, mas dá uma idéia de que só piorou em 5 anos...

E me pergunto, o que estes homens fazem soltos?


O MILAGRE DO CAIXA DA UNIVERSAL

(Artigo publicado na Revista Veja, nº 44 de 03/11/99)

Nos últimos vinte anos, o governo vem fazendo investidas pesadas para tentar esclarecer duas dúvidas sobre a Igreja Universal do Reino de Deus do bispo Edir Macedo: quanto dinheiro circula pelos seus templos e o que exata­mente é feito com ele. Nesse período, o bispo já se viu envolvido em todo tipo de escândalo, policial, fiscal e político. As acusações resvalam. mas nunca se consegue provar nada. Estão surgindo agora, pela primeira vez, documentos e relatos consistentes que podem ajudar pelo menos a decifrar um dos grandes mistérios que envolvem a Universal, a instituição religiosa que mais cresce no país: o tamanho do caixa da Igreja. As primeiras projeções, com base em livros contábeis mantidos por ex-pastores da Universal e de acordo com investigações recentes conduzidas pelo Ministério Público e pela Receita Federal, revelam que neste ano a arrecadação da organização de Edir Macedo poderá ultrapassar os 2 bilhões de reais. E uma ci­fra espantosa. Essa Igreja se trans­formou em um fenômeno econômico Só efeito de comparação. a arrecadação da Universal é grande o bastante para colocá-la na lista das 100 maiores empresas do país, à frente de grupos muito bem administrados e comercialmente agressivos como a Arisco e a TAM.

Até aqui, nada há de errado com a mega-igreja do bispo Edir Macedo. Todas as instituições religiosa arrecadam dinheiro dos fiéis para sobre viver. Mas é fato comprovado. até em pesquisas acadêmicas, que na hora de pedir o dízimo aos fiéis os pastores da Universal são vorazes como abelhas Diante de um pote de mel. É comum nos cultos da Igreja ouvir pastores convidando os fiéis a entregar até o dinheiro que guardam na poupança. Nada disso no entanto, é crime. Afinal, só enfia a mão no bolso e contribui com a Igreja quem assim o deseja. O problema começa depois da doação. Nos últimos anos, a Universal vem confessadamente usando esse dinheiro para alargar seu império com a compra de empresas nas mais variadas áreas de atuação. Como igreja, ela usufrui de isenção municipal, estadual e federal. Mas quando compra um negócio essa isenção não é estendida. Essas empresas precisam declarar seus rendimentos para o Fisco. É aí que a Igreja Universal do Reino de Deus vem cometendo irregularidades. A Receita Federal achou furos inaceitáveis na contabilidade das empresas ligadas à Igreja. 0
valor das autuações quase ultrapassa a cifra de 300 milhões de reais. São 156 milhões no nome da própria Universal e o restante no nome de alguns de seus mais importantes membros.

A Igreja reagiu com uma estratégia bem definida. Primeiro, pagou integralmente te as multas aplicadas ao bispo Edir Macedo. ao seu sobrinho Marcelo Crivella e a outros participantes do alto escalão da Universal. Foram 50 milhões para livrá-los da possibilidade de prisão. Depois, contestou as multas que estão no nome do grupo. Os processos estão no Conselho de Contribuintes, um órgão ligado ao Ministério da Fazenda, onde aguardam julgamento. Mas os problemas da Igreja do bispo Macedo não são apenas com a Receita. 0 Instituto Nacional de Seguro Social, INSS, também encontrou pilhas de problemas nas contas de empresas da Universal. Nos últimos dois anos, o órgão lavrou uma série de autuações. As dívidas não foram pagas e acabaram inscritas na dívida ativa da União, uma espécie de cadastro de devedores do governo federal. Mais uma vez, o valor em questão é muito alto: 22 milhões de reais. *'Nós compramos algumas empresas que não
descontavam o INSS dos seus funcionários. Ainda não conseguimos colocar as contas em dia", diz o deputado federal e bispo Carlos Rodrigues (PL-RJ),
coordenador político da Universal.

Essas falhas todas podem ser até fruto de erros banais na hora de preparar documentação ou quitar débitos. Existe até a possibilidade de a Receita ter errado. Porém, o que incomoda os técnicos do governo é que instituições como a Universal, mais do que qualquer outra, têm a obrigação de manter uma conduta fiscal transparente e exemplar. Só um livro-caixa impecável seria capaz de afastar da cabeça dos técnicos de Brasília as suspeitas que envolvem as operações da Universal. A principal delas é que a Igreja do bispo Macedo, gozando das regalias próprias de uma instituição religiosa, tornou-se um negócio de grande porte e os excedentes estariam sendo investidos em áreas distintas do serviço religioso. A Igreja de Edir Macedo funciona como se fosse uma grande caixa-preta. Vistas pelo lado de fora, as operações da Universal parecem que são feitas na medida para confundir exemplos: a Igreja foi dona de um banco que mudou de nome e razão social mais de dez vezes em pouco mais de dez anos. A última estranheza em relação ao banco foi sua transformação recente numa financeira. Esse é um fato sem precedentes no mercado bancário, em que a palavra de ordem para quem quer se estabelecer é manter a transparência e a organização. A empresa de engenharia formada pela Igreja para lhe prestar serviços também já teve o nome trocado duas vezes. E, por fim, a operação financeira que resultou na compra da TV Record jamais foi explicada e está sendo contestada pelo governo na Justiça até hoje.

Para entender o que realmente é a Universal, o governo precisa fazer malabarismos. Oficialmente, sabe-se do registro de apenas 1900 templos, que estão cadastrados no INSS sob identificações fiscais diferentes. Entretanto, imagina-se que a Igreja tenha mais de 10 000 templos espalhados pelo Brasil e pelo mundo. Há meses o governo tenta encontrar uma solução jurídica adequada para fazer o cadastro da Igreja. Outra coisa que ninguém entende é como funciona (se é que funciona) a transferência de dinheiro da Igreja entre suas filiais no exterior. Remessa de dinheiro é um processo legal e muito comum quando há filiais fora do país. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, órgão ligado à Igreja Católica, por exemplo, enviou quase 300 0 reais ao exterior entre os anos de 1992 1997. A diferença é que fez o lançamento em seu nome para todo mundo ver. Esse tipo de divergência entre o que Universal diz e o que consegue demonstrar está levando a Previdência Social promover uma grande investigação nos templos da organização, 0 governo quer saber se a Universal está recolhendo contribuições sociais de seus empregados. Finalmente, se pelo lado de fora do parece confuso, sabe-se que internamente tudo é muito organizado e funciona nos moldes empresariais. A Universal tem aviões para carregar seus principais líderes, montou uma holding para controlar suas operações e conta com a supervisão direta do bispo, e todo santo dia ele acompanha o relatório indica a movimentação - de dinheiro e fiéis - de cada um dos templos. Geralmente. é esse o documento que seus auxiliares usam para ai promoções dentro à hierarquia.

Diante desses indícios Igreja se esteja desviando de sua missão principal, não é só o governo que resolveu examinar a Universal mais de perto. No último ano, uma leva de ex-amigos do bispo se voltou contra ele e pede na Justiça indenizações milionárias. Um grupo de pastores está tentando provar que a Universal é, mais do que Igreja, uma empresa dedicada à realização de lucros. Esses processos judiciais em andamento no Rio de Janeiro e em São Paulo trazem uma série de documentos reveladores sobre os métodos de atuação da Universal. 0 ex-pastor Hamilton Luciano de Almeida, por exemplo, entregou à Justiça o livro-caixa da filial localizada no bairro Cidade de Deus, no Rio, referente ao período entre março de 1994 e janeiro de 1995. 0 livro mostra que a arrecadação da Igreja nessa fase subiu de 15 000 para até 50 000 reais mensais. Segundo Almeida, "quem não consegue aumentar a arrecadação da igreja sob sua responsabilidade em pelo menos 25% por mês e mandado embora ou punido". Ele serviu mais de dez anos na Universal e afirma que acabou expulso por contestar as ordens da cúpula.

Outro documento interessante, revelado pelo ex-pastor Maviael José de Oliveira, mostra que chegou a existir a figura do pastor comissionado. O advogado José Carlos Esteves Guimarães. que o representa em um pedido de indenização contra o bispo, aberto na 9ª Vara Cível da cidade do Rio de Janeiro no ano passado, diz que os pastores recebiam comissões quando conseguiam elevar a arrecadação em dinheiro de um templo. Outro livro-caixa, apresentado pelo ex-pastor Aloísio de Carvalho, mostra a movimentação financeira da Universal na região Norte. onde ele liderou a expansão da Igreja no começo da década de 90. Revela que o dinheiro da manutenção dos templos, em alguns casos, consumia menos de 30% do que era arrecadado. "0 que sobrava a gente mandava para a matriz, em São Paulo", diz ele, que abandonou a Igreja há cinco anos. 0 ex-pastor Marcelo Gonzales é outro que está ajudando a esclarecer detalhes de contabilidade. Ele diz que comandava um pequeno templo na periferia de Brasilia que chegou a arrecadar 230 000 reais por mês em 1997. A ordem era arrecadar", disse ele. '*Qualquer pessoa que estudar as contas da Universal vai descobrir que ela não passa de uma empresa lucrativa. muito lucrativa^'. afirma Carvalho. No último ano, já se contam pelo menos vinte ações desse tipo na Justiça cobrando indenizações da Universal. Essas ações envolvem pedidos que. somados. atingem o valor de 50 milhões de reais. A lógica desses pedidos é que. se os pastores ajudaram a Igreja a lucrar, eles têm direito a uma parte dos ganhos.

Os bispos, pastores e obreiro, não têm carteira assinada porque a profissão de pastor não é regulamentada. Macedo, portanto, está desobrigado de recolher impostos e contribuições sobre sua folha de pagamento Isso explica o motivo de não caberem ações trabalhistas contra a Igreja, Sabe-se que um pastor da Universal pode receber até 6 000 reais. Se for realmente bom, ganha carro importado e casa para morar. Detalhe: nenhum bem fica em seu nome. 0 carro, a casa, tudo é da Igreja. Só em São Paulo a Universal já manteve uma frota de cerca de 300 veículos registrados em seu nome. segundo um levantamento no Detran. Caso o pastor decida abandonar a Universal, precisa abrir mão de tudo. Outra novidade ruim para o bispo Macedo é que cerca de 300 ex-pastores do Rio e de São Paulo que foram mandados embora estão se articulando para criar uma associação cuja finalidade é exigir indenizações do bispo, Ninguém mais agüenta viver na miséria enquanto a cúpula da Igreja fatura cada vez mais alto", diz o ex-pastor Hamilton Luciano de Almeida.

Curiosamente, toda essa movimentação por parte do governo e dos ex-pastores ocorre no momento de maior expansão da Universal em número de fiéis, em arrecadação, em construção de templos e importância política. Nos últimos anos, o bispo ordenou a abertura de novas sedes e maior oferta de cultos. Hoje, a Universal é capaz de lotar estádios até na África. A bancada de políticos cresceu e já sorna dezoito deputados federais. Alguns templos começaram a realizar até seis cultos por dia (normalmente são quatro), e as campanhas especiais foram multiplicadas. A campanha de Israel, por exemplo, era anual e hoje é feita até três vezes por ano. Nesse tipo de campanha, os fiéis são convidados a colocar a maior quantidade de dinheiro que puderem em um envelope junto a um pedido. Ao final da campanha, os bispos se comprometem a levar os pedidos para a terra prometida. A Igreja também está gastando na construção de templos novos, maiores e mais bem localizados. Macedo quer construir dezenas de templos com capacidade para mais de 5 000 pessoas nos próximos anos. 0 maior deles foi inaugurado há dois meses. É uma catedral com capacidade para 11000 pessoas, numa área de 54 000 metros quadrados, e estacionamento para 2 000 carros, no bairro de Del. Castilho, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Até agora o projeto já consumiu 32 milhões de reais. Dentro de um ano, ele pretende inaugurar outras cinco catedrais no país. ao custo de cerca de 200 milhões de reais.

Só para se ter uma breve idéia da evolução da Igreja Universal, há pouco mais de vinte anos, o bispo Edir Macedo pregava no coreto de uma praça no Rio porque não tinha dinheiro sequer para pagar o aluguel de uma garagem. Ele precisou de apenas três anos para abrir seus primeiros galpões e construir a primeira filial nos Estados Unidos. Hoje, está à frente de um império espalhado por todo o Brasil e em outros setenta países nos quatro cantos do mundo do, da Colômbia aos Estados Unidos, da África até a Rússia. A Igreja comanda uma vasta rede composta de vinte emissoras de TV e cinqüenta rádios, um jornal semanal com tiragem de 1,3 milhão de exemplares dedicado a espinafrar seu maior rival, a Igreja Católica, e pelo menos uma dezena de empresas que atuam em segmentos variados, no setor financeiro, de construção civil e ,gráfico. Em média. essa estrutura consegue inaugurar três templos a cada domingo. Juntos, os mais de 20 000 pastores. bispos e obreiros (espécie de soldados rasos que trabalham sem remuneração) a serviço da Universal oferecem por ano 30 milhões de cultos, quatro por dia, religiosamente todo santo dia em qualquer parte do planeta em que exista um templo da Universal. Estima-se que acorrem a essas cerimônias cerca de 10
milhões de pessoas à espera de bênçãos para todos os tipos de males. Prega a cartilha da Universal que o fiel de verdade é capaz de conseguir a cura para qualquer doença, inclusive câncer e Aids. Uma pesquisa conduzida pelo Instituto Superior de Estudos da Religião, Iser, em 1994, mostrou que 35% dos fiéis com renda de até dois salários mínimos entregam para a Igreja mais que 10% de seu rendimento. Do lado de lá do balcão, para muitos pastores o estímulo é mesmo o dinheiro. No passado, a Igreja chegou a pagar comissão para os pastores. Muitos receberam até carteirinhas. para identificação como pastores comissionados. Pedir, pedir e pedir é lei número 1 de Edir Macedo. Em alguns casos. o pastor da Universal não se constrange de pedir para que o fiel doe todo o dinheiro que tem guardado. Esse tipo de apelo foi comum na época em que a Universal precisava levantar dinheiro para comprar a TV Record. "A TV é parte fundamental do nosso projeto de batizar o maior número de fiéis possível. E está funcionando", diz o bispo Rodrigues.


1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

TUDO ISSO É UMA GRANDE MENTIRA....JA FUI MENBRO DA IGREJA POR 5 ANOS ONDE FREQUENTAV TODOS OS DIAS E O QUE ACONTECE É TOTALMENTE DEIFIRENTE DO VCS DIZEM... SO QUE FREQUENTA E CONHECE SABE DO QUE ESTOU FALANDO. É FACIL ACUSAR DIFICIL É PROVAR

8 de abril de 2009 02:02  

Postar um comentário

<< Home